Foclivia

Foclivia vacina antigripal pré-pandémica (H5N1) (antigénio de superfície, inativado, com adjuvante)

O que é o Foclivia?

O Foclivia é uma vacina. Está disponível sob a forma de suspensão injetável que contém componentes do vírus inativado (morto) da gripe. Contém uma estirpe da gripe denominada A/Vietnam/1194/2004 (H5N1).

Para que é utilizado o Foclivia?

O Foclivia é uma vacina a utilizar exclusivamente numa situação de pandemia declarada oficialmente pela Organização Mundial de Saúde (OMS) ou pela União Europeia (UE). Uma pandemia de gripe ocorre na sequência da emergência de um novo tipo (nova estirpe) de vírus gripal que se transmite facilmente entre as pessoas por não possuírem imunidade (anticorpos protetores) contra esse vírus. Uma pandemia pode afetar a maior parte dos países e regiões à escala mundial. O Foclivia deve ser administrado de acordo com as recomendações oficiais.

A vacina só pode ser obtida mediante receita médica.

Como se utiliza o Foclivia?

O Foclivia é administrado em duas doses, com pelo menos três semanas de intervalo entre cada administração. É administrado por injeção no músculo da parte superior do braço ou na coxa.

Como funciona o Foclivia?

O Foclivia é uma vacina protótipo, o que significa que é uma vacina de tipo especial suscetível de ser desenvolvida com o objetivo de contribuir para a gestão de uma pandemia que venha a ocorrer.

Antes de uma pandemia surgir, não é possível conhecer as estirpes de vírus envolvidas, pelo que as empresas farmacêuticas não podem preparar uma vacina antecipadamente. Podem, no entanto, preparar uma vacina que contenha uma estirpe de vírus gripal especificamente selecionada por não haver exposição humana à mesma, e contra a qual, portanto, não exista imunidade. Podem testar essa vacina para observar a reação dos indivíduos vacinados à mesma, o que lhes permite prever as reações quando a estirpe de vírus pandémica for integrada na vacina.

As vacinas funcionam «ensinando» o sistema imunitário (as defesas naturais do organismo) a defender-se contra uma doença. O Foclivia contém componentes do vírus H5N1 em pequenas quantidades. O vírus foi inativado (neutralizado) para não causar a doença. Em caso de pandemia, antes da utilização da vacina, a estirpe de vírus contida no Foclivia será substituída pela estirpe causadora da pandemia.

Quando uma pessoa é vacinada, o seu sistema imunitário reconhece o vírus como estranho e produz anticorpos contra ele. O sistema imunitário será então capaz de produzir anticorpos mais rapidamente quando for novamente exposto ao vírus. Este processo ajuda a proteger contra as doenças causadas pelo vírus. A vacina contém também um adjuvante (um componente contendo óleo) para estimular uma melhor resposta.

Como foi estudado o Foclivia?

O estudo principal do Foclivia incluiu 486 indivíduos saudáveis (dos quais um terço com mais de 60 anos) e comparou a capacidade de duas doses de Foclivia desencadearem a produção de anticorpos (imunogenicidade). Os participantes receberam duas injeções de Foclivia contendo 7,5 microgramas ou 15 microgramas de hemaglutinina (uma proteína existente nos vírus da gripe), administradas com um intervalo de 21 dias. O principal parâmetro de eficácia foi o nível de anticorpos do vírus da gripe presentes no sangue antes da administração da vacina, no dia da administração da segunda dose (dia 22) e 21 dias após a segunda injeção (dia 43).

Qual o benefício demonstrado pelo Foclivia durante os estudos?

De acordo com os critérios estabelecidos pelo CHMP, para que seja considerado adequado, um protótipo de vacina deverá produzir níveis protetores de anticorpos em, pelo menos, 70 % das pessoas.

O estudo demonstrou que a resposta imunitária (anticorpos produzidos) induzida pelo Foclivia satisfaz estes critérios. Vinte e um dias após a segunda injeção, 86 % dos indivíduos que receberam a vacina com 7,5 microgramas de hemaglutinina apresentavam níveis de anticorpos que os protegeriam contra o H5N1. Nos indivíduos que receberam a dose de 15 microgramas, a percentagem foi de 85 %.

Qual é o risco associado ao Foclivia?

Os efeitos secundários mais frequentes associados ao Foclivia (observados em 1 a 10 em cada 100 pessoas) são dores de cabeça, sudação, artralgia (dores nas articulações), mialgia (dores musculares), reações no local da injeção (vermelhidão, inchaço, endurecimento, hematoma (nódoa negra), dor), febre, mal-estar, fadiga (cansaço) e arrepios. A maioria destes efeitos secundários desaparece ao fim de 1 ou 2 dias. Para a lista completa dos efeitos secundários comunicados relativamente ao Foclivia, consulte o Folheto Informativo.

O Foclivia não deve ser administrado a doentes com historial de reação anafilática (reação alérgica grave) a qualquer um dos componentes da vacina ou a substâncias de que existam vestígios na vacina, tais como ovos, proteínas de galinha, canamicina e sulfato de neomicina (dois antibióticos), formaldeído, sulfato de bário e brometo de cetiltrimetilamónio. Contudo, numa situação de pandemia, pode ser apropriado vacinar estes doentes, desde que estejam disponíveis meios de reanimação.

Por que foi aprovado o Foclivia?

O CHMP concluiu que os benefícios do Foclivia são superiores aos seus riscos e recomendou a concessão de uma autorização de introdução no mercado para o medicamento.

O Foclivia foi autorizado em circunstâncias excecionais. Isto significa que, na medida em que se trata de uma vacina protótipo que não contém a estirpe do vírus da gripe que causa a pandemia, não foi possível obter informação completa sobre a vacina pandémica final. A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) procederá, anualmente, à análise das novas informações disponíveis e, se necessário, à atualização do presente resumo.

Que informação ainda se aguarda sobre o Foclivia?

Quando a empresa que fabrica o Foclivia incluir na vacina a estirpe de gripe responsável por uma pandemia, recolherá informações sobre a segurança e eficácia da vacina final contra a pandemia e transmitirá essas informações ao CHMP para avaliação.

Que medidas estão a ser adotadas para garantir a utilização segura e eficaz do Foclivia?

Foi desenvolvido um plano de gestão dos riscos para garantir a utilização segura do Foclivia. Com base neste plano, foram incluídas informações de segurança no Resumo das Características do Medicamento e no Folheto Informativo do Foclivia, incluindo as precauções apropriadas a observar pelos profissionais de saúde e pelos doentes.

Outras informações sobre o Foclivia

Em 19 de outubro de 2009, a Comissão Europeia concedeu uma Autorização de Introdução no Mercado, válida em toda a União Europeia, para o medicamento Foclivia. Esta autorização foi baseada na autorização concedida para o medicamento Focetria em 2007 («consentimento informado»).

Referências:

Agência Europeia de Medicamentos (European Medicines Agency)

Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao Foclivia. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité dos Medicamentos para Uso Humano (CHMP) avaliou o medicamento a fim de emitir um parecer favorável à concessão de uma autorização de introdução no mercado, bem como as suas recomendações sobre as condições de utilização do Foclivia.

O EPAR completo sobre o Foclivia pode ser consultado aqui:

http://www.ema.europa.eu/ema/index.jsp?curl=pages/medicines/human/medicines/001208/human_med_001216.jsp&mid=WC0b01ac058001d124

Para mais informações sobre o tratamento com o Foclivia, leia o Folheto Informativo (também parte do EPAR) ou contacte o seu médico ou farmacêutico.

Este resumo foi atualizado pela última vez em 06-2014.