Vacina contra o papilomavírus humano (HPV)

Por que ser vacinado?

A vacina contra o HPV previne a infecção por tipos de papilomavírus humano (human papillomavirus, HPV) que estão associados a muitos tipos de câncer, incluindo:

  • câncer cervical em mulheres,
  • cânceres vaginais e vulvares em mulheres,
  • câncer anal em mulheres e homens,
  • câncer na língua em mulheres e homens, e
  • câncer de pênis em homens.

Além disso, a vacina contra o HPV previne a infecção por tipos de HPV que causam verrugas genitais tanto em mulheres como em homens.

Nos Estados Unidos, a cada ano cerca de 12.000 mulheres desenvolvem câncer cervical e cerca de 4.000 morrem em consequência dele. A vacina contra o HPV pode prevenir a maioria desses casos de câncer cervical.

A vacina não substitui os exames para detecção de câncer cervical. Esta vacina não protege contra todos os tipos de HPV que podem causar câncer cervical. As mulheres devem fazer papanicolau periodicamente.

A infecção por HPV geralmente resulta de contato sexual, e a maioria das pessoas será infectada em algum momento de sua vida. Cerca de 14 milhões de americanos, incluindo adolescentes, são infectados todos os anos. A maioria das infecções desaparece por si e não causa problemas sérios.

Mas, milhares de mulheres e homens desenvolvem câncer e outras doenças resultantes do HPV.

Vacina contra o HPV

A vacina contra o HPV está aprovada pela Food and Drug Administration (FDA) (Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA) e é recomendada pelos Centers for Disease Control and Prevention (CDC) (Centros de controle e prevenção de doenças) tanto para homens como para mulheres. Ela é rotineiramente aplicada aos 11 ou 12 anos de idade, mas pode ser aplicada aos 9 anos até 26 anos de idade.

A maioria dos adolescentes entre 9 e 14 anos de idade deve tomar a vacina contra o HPV em uma série de duas doses, com doses separadas por intervalos de 6-12 meses. As pessoas que iniciarem a vacinação contra o HPV com 15 anos de idade ou mais devem tomar a vacina em uma série de três doses, com a segunda dose aplicada 1-2 meses após a primeira dose e a terceira dose aplicada 6 meses após a primeira dose.

Há diversas exceções a essas recomendações de idade. Seu profissional da saúde pode lhe dar mais informações.

Algumas pessoas não devem tomar essa vacina

Qualquer pessoa que tiver tido uma reação alérgica grave (com risco de morte) a uma dose da vacina contra o HPV não deve tomar outra dose.

  • Qualquer pessoa que tiver uma alergia grave (com risco de morte) a qualquer componente da vacina contra o HPV não deve tomar a vacina. Informe seu médico se você souber que tem alguma alergia grave, incluindo alergia grave a leveduras.
  • A vacina contra o HPV não é recomendada para mulheres grávidas. Se você ficar sabendo que estava grávida quando for vacinada, não há nenhum motivo para esperar qualquer problema para você ou para o bebê. Qualquer mulher que souber que estava grávida quando tomou a vacina contra o HPV deverá entrar em contato com o registro do fabricante para vacinação contra o HPV durante a gravidez. Mulheres em fase de amamentação podem ser vacinadas.
  • Se no dia em que tomar a vacina você estiver com uma doença leve, por exemplo um resfriado, você provavelmente poderá tomá-la. Se você estiver moderadamente ou gravemente doente, provavelmente terá que esperar até se recuperar. Seu médico poderá lhe aconselhar.

Riscos de uma reação à vacina

Com qualquer remédio, incluindo vacinas, há uma possibilidade de haver efeitos colaterais. Esses são geralmente leves e desaparecem por si só, mas também é possível ter reações sérias.
A maioria das pessoas que toma a vacina contra o HPV não tem nenhum problema sério.

Problemas leves ou moderados após vacina contra o HPV:

  • Reações no braço onde a vacina foi aplicada:
    • Dor (cerca de 9 em 10 pessoas)
    • Vermelhidão na pele ou inchaço (cerca de 1 em 3 pessoas)
  • Febre:
    • Leve (37,8 °C/100 °F) (cerca de 1 em 10 pessoas)
    • Moderada (38,9 °C/102 °F) (cerca de 1 em 65 pessoas)
  • Outros problemas:
    • Dor de cabeça (cerca de 1 em 3 pessoas)

Problemas que podem acontecer depois de qualquer vacina injetada:

  • Às vezes, as pessoas desmaiam depois de um procedimento médico, incluindo uma vacinação. Sentar-se ou deitar-se por cerca de 15 minutos pode ajudar a prevenir desmaios e danos causados por quedas. Fale com seu médico se você sentir tontura, tiver alterações na visão ou zumbido nos ouvidos.
  • Algumas pessoas sentem dor intensa no ombro e têm dificuldade de mover o braço no qual a vacina foi aplicada. Isso acontece muito raramente.
  • Qualquer medicação pode causar uma reação alérgica grave. Essas reações a uma vacina são muito raras.

Estima-se que ocorram em cerca de 1 em um milhão de doses e, se houver uma reação alérgica, esta acontecerá dentro de alguns minutos a algumas horas após a vacinação.

Como acontece com qualquer remédio, existe uma possibilidade muito remota de uma vacina causar dano sério ou morte.

A segurança das vacinas é monitorada continuamente.

E se houver uma reação séria?

O que devo observar?

  • Observe qualquer coisa que possa parecer preocupante, como:
    • sinais de reações alérgicas graves
    • febre muito alta
    • alterações no comportamento
  • Os sinais de uma reação alérgica grave podem incluir:
    • urticária
    • inchaço no rosto ou na garganta
    • dificuldade para respirar
    • taquicardia
    • tontura
    • fraqueza.
  • Esses sintomas em geral manifestam-se dentro de alguns minutos até algumas horas após a vacinação.

O que se deve fazer?

  • Se você acha que é uma reação alérgica grave ou outra emergência que não pode esperar, ligue para o serviço de emergência local ou leve a pessoa ao hospital mais próximo. Caso contrário, chame o seu médico.
  • Conte ao médico o que aconteceu, a data e hora em que aconteceu a reação e quando a vacina foi administrada.

Fontes de informação

Adaptado da Coalizão de Ação de Imunização, Declarações de Informações sobre Vacinas.